O QUE REALMENTE ACONTECEU NO SINAI?
1א

O QUE ELES VIRAM?

A Torá foi dada por meio de sete vozes. E viram o Mestre do Universo revelado em todas essas vozes. Esse é o significado do verso 'Todas as pessoas viram as vozes'. (Shemot 20: 15)

Essas vozes foram acompanhadas por faíscas de fogo e lampejos de relâmpago que estavam na forma das letras dos dez mandamentos. Eles viram a palavra inflamada saindo da boca do Todo-Poderoso e viram como estavam inscritas nas tábuas de pedra, como diz: 'A voz Divina inscreve labaredas de fogo' (Tehilim 29: 4).

E quando as pessoas realmente viram, Aquele que Falou e o Mundo veio a Existir, desmaiaram. Alguns dizem que seus espíritos deixaram seus corpos, enquanto outros dizem, que entraram em transe profético. Essas visões os levaram a tremer, tremer e a um apagão dos sentidos.

(Midrash Shemot Rabá)

2ב

O ALEF SILENCIOSO:

“É possível que no Sinai, não tenhamos ouvido nada da boca do Divino [nada] além da letra Alef, da primeira frase <Anohi HaShem Elohehem>, "Eu Sou! HaShem! Elohim de vocês"

Como lemos em Shemot 20:15, "E todas as pessoas viram o trovão".

Em outras palavras, eles viram o que normalmente é ouvido!

No Sinai [então], vimos a letra "Alef" evocando o Nome e a Presença Divina ... "

(Zera Hakodesh- Rabino Naftali Tzvi Horowitz - Século XIX)

3ג

O QUE ELES OUVIRAM?

"O Rabino Iohanan disse: Quando a voz Divina surgiu no Monte Sinai, dividiu-se nos 70 idiomas humanos, para que o mundo inteiro pudesse entendê-lo.

Todos [os que estavam] no Monte Sinai, [os] jovens e idosos, mulheres, crianças e [até os] bebês [ouviram o Divino e foram instruídos], de acordo com sua capacidade de entender.

Moshe também, entendeu apenas de acordo com sua capacidade, como é dito (Shemot 19: 19), 'Moshes falou e HaShem lhe respondeu com um som'.

Com uma voz que Moshe podia ouvir.”

(Midrash Shemot Rabá 5: 9)

4ד

​SILÊNCIO ENSURDECEDOR:

"Disse o rabino Abahu, em nome do rabino Iohanan: Quando o SANTO deu a Torá, nenhum pássaro cantou, nenhuma ave voou, nenhum boi mugiu, [e até mesmo] nenhum dos <Ofanim> (criaturas vistas em visões proféticas, com asas) bateu as asas, nem os <Serafins> (seres flamejantes, vistos em visões) cantaram [seu canto costumeiro] "Kadosh Kadosh Kadosh".

[Além disso] o mar não rugiu, e nenhuma das criaturas [do mundo] emitiu qualquer som.

Em todo o mundo houve apenas o Silêncio - ensurdecedor - quando a Voz Divina disse: <Anohi HaShem Eloheha (EU SOU - HASHEM - Elohim de vocês) "

(Midrash Shemot Rabá)

5ה

(ו) דבר אחר: וידבר אלהים את כל הדברים האלה לאמר אמר רבי יצחק: מה שהנביאים עתידים להתנבאות בכל דור ודור, קבלו מהר סיני, שכן משה אומר להם לישראל (דברים כט): כי את אשר ישנו פה עמנו עומד היום ואת אשר איננו פה עמנו היום. עמנו עומד היום אין כתיב כאן, אלא עמנו היום, אלו הנשמות העתידות להבראות, שאין בהם ממש, שלא נאמרה בהם עמידה, שאע"פ שלא היו באותה שעה, כל אחד ואחד קבל את שלו.

VOCÊ FOI VISTO NO SINAI:

"E HaShem falou todas essas palavras, dizendo" (Shemot 20: 1).

O rabino Itzhak disse: [Foi] no Monte Sinai, [que] os profetas de toda e qualquer geração, receberam o que deveriam profetizar. Pois Moshe disse a Israel: "Mas aquele que está aqui conosco hoje, diante de HaShem, nosso Elohim, e também para aquele que não está aqui hoje" (Devarim 29: 14).

Ele não disse: "Estes que não estão "de pé", aqui conosco hoje", mas "Estes não estão conosco hoje", como uma maneira de se referir às <Neshamot> futuras da criação. Moshe não usou a palavra "em pé" em relação a eles, porque ainda não tinham substância. Ainda assim, apesar de ainda não existirem [no sentido dado ao termo], cada um recebeu sua parte da Torá. Os futuros profetas também não foram os únicos que receberam no Sinai a profecia que deviam proferir. [Também] os sábios que deveriam surgir em toda e qualquer geração - todos - [sim] cada um deles, também receberam no Sinai, a sabedoria que ele compartilhariam mais tarde.

6ו

God In Search Of Man, Rabbi Abraham Joshua Heschel

O termo "Torá" é usado em dois sentidos; a Torá supra-natural (ou, celestial), a existência que precedeu a criação do mundo e a Torá revelada (terrena).

Em relação à Torá celestial, os rabinos mantinham: "A Torá está oculta aos olhos de todos os que vivem ... O homem não conhece o preço dela."

"Moshe recebeu a Torá", mas não toda a Torá "no Sinai".

E nem tudo o que foi revelado a Moshe foi transmitido a Israel; o sentido dos mandamentos é dado como exemplo [disso]. Juntamente com a gratidão pela palavra divulgada, há um anseio pelo significado ainda a ser divulgado.

Existe uma teoria na literatura judaica ... que sustenta que a Torá, que é eterna em espírito, assume formas diferentes em várias eras.

[Neste sentido, havia uma] Torá [que] era conhecida por Adam quando estava no Jardim do Éden, embora não em sua forma atual. [Por exemplo] Mandamentos os relativos à caridade para com os pobres, os estrangeiros, os órfãos e a viúva, não teriam sentido no Jardim do Éden.

Naquela época, a Torá era conhecida em sua forma celestial. Assim como o homem, [ao] assumir uma forma material ao ser foi expulso do Jardim do Éden, a Torá também assumiu uma forma material.

Se o homem tivesse retido "as vestes da luz" de sua forma espiritual de existência, a Torá também teria retido sua forma espiritual.

7ז

REVELAÇÃO TODO DIA:

Ao Rebe de Kotzker foi questionado: "Por que Shavuot é chamado <z'man matan Torá> = 'O tempo que a Torá foi dada', em vez de 'O tempo que a Torá foi recebida?"

Ele respondeu: "A doação ocorreu em um dia, mas a recepção ocorre em todos os momentos."

(Martin Buber Tales of Hasidim)

8ח

"O ALEF SILENCIOSO" do livro "The Book of Miracles" ( do rabino Lawrence Kushner)

Narrador: "Ninguém realmente sabe ao certo o que aconteceu no Monte Sinai."

Uma vez os rabinos estavam discutindo sobre isso.

RABINO 1: "No Monte Sinai, o Divino falou toda a Torá, a todos os filhos de Israel, e Moshe a escreveu como a Divindade falou.

RABINO 2: "Não! Diz na Torá que os Filhos de Israel ouviram apenas os Dez Mandamentos, que foram esculpidos em pedra com o dedo Divino.

RABINO 3: "NÃO NÃO! O povo não aguentaria ouvir tudo isso. Seria demais para eles. Eles apenas ouviram o Divino dizer a primeira palavra, dos Dez Mandamentos -" ANOHI! "

E então o mundo inteiro ficou totalmente silencioso, nem mesmo um pássaro cantou, ou um sapo coaxou. Anohi significa "EU SOU" - basicamente eles ouviram o Divino dizer "EU EXISTO - apenas - EU SOU REAL"

RABINO 4: "NÃO NÃO NÃO !!! 'Nem mesmo a primeira palavra, Anohi אנכי, foi ouvida.

Tudo o que o Divino falou foi a primeira letra, da primeira palavra, do primeiro mandamento.

No Sinai, todo o povo de Israel precisava ouvir era o som do Alef. Isso significava que o Divino e o povo judeu poderiam ter uma conversa."

Narrador: O misticismo judaico ensina que a letra Alef contém toda a Torá. Mas nem todo mundo ouve o som suave de Alef.

As pessoas são capazes de ouvir apenas o que estão prontas para ouvir. a Divindade fala com cada um de nós de maneira pessoal, levando em consideração nossa força, sabedoria e preparação.

9ט

VOCÊ ESTÁ CERTO!

Dois homens foram ao escritório do rabino para resolver uma discussão. A esposa do rabino também estava sentada na sala. Um homem explicou sua queixa ao rabino: "A história é tal e tal, e ele precisa fazer isso e precisa fazer isso". Ele dá uma boa justificativa e argumenta claramente seu caso.

O rabino declara: "Você está certo!"

Em seguida, o outro homem apresenta o seu lado. Ele fala com tanta paixão e persuasão que o rabino também lhe diz: "Você está certo!"

Depois que eles saem, a esposa do rabino fica perturbada e diz ao marido: "Como você pode dizer que os dois estão certos?"

O rabino acaricia sua barba, pensa longa e duramente e finalmente diz à esposa: "Sabe de uma coisa, você também está certa".

10י

OS DEZ PRONUNCIAMENTOS

1) EU SOU - HASHEM - Elohim de vocês - que te tirei da terra do Egito, da escravidão.

2) Não terás outros Elohim perante mim.

3) Não falarás o nome do Hashem - teu Elohim - em vão.

4) Lembre-se do dia de Shabat, para santificá-lo.

5) Honre seu pai e sua mãe.

6) Não matarás.

7) Não cometerá adultério.

8) Não furtarás.

9) Não dirás falso testemunho contra os seus vizinhos.

10) Não cobiçarás (invejarás) qualquer coisa que pertença ao teu próximo.

Qual é o mais difícil de seguir?

11יא

Rabino Shai Held, trecho do livro Coveting, Craving... and Being Free

...Mas muitos estudiosos sustentam que cobiça significa o que parece - o estado interno de desejar algo (ou alguém) que pertence a outra pessoa. Embora seja verdade que os outros quatro mandamentos da segunda parte das tábuas, se refiram a ações, o mandamento final pode muito bem ser diferente.

Talvez se refira à atitude que torna possível o restante das violações. Como escreve o estudioso da Bíblia Hebraica John Durham: “O décimo mandamento (...) funciona como uma espécie de mandamento sumário, cuja violação é o primeiro passo que pode levar à violação de qualquer um ou todos os demais mandamentos. Como tal, é necessariamente abrangente e descritivo de uma atitude ao invés de uma ação.

Em outras palavras, a cobiça pode muito bem levar à tomar algo, mas não a perceber isso. Com o último mandamento, a Torá alcança interiormente, além de nossas ações, de nossa vida interior e das motivações que animam nosso comportamento no mundo. "Todos os povos reconhecem que é proibido cometer adultério ou roubo, mas aqui o mandamento vai mais longe ... é mesmo proibido desejar no coração de uma esposa ou propriedade de outro."

De qualquer forma, os versos frequentemente citados para conectar cobiça e ação, podem muito bem provar o oposto: "Se <hamad> [cobiça] tem o sentido de 'cobiçar e se apropriar', um segundo verbo [como l-k-h, tomar] seria desnecessário ...

Ignorando o que ele vê como a noção destrutiva de que o Judaísmo se importa apenas com o que fazemos, mas não com o que pensamos ou sentimos, Ibn Ezra insiste radicalmente em que “o principal objetivo de todos os mandamentos é endireitar o coração".

Isso é evidente pelo fato de distinguirmos entre quem pecou intencionalmente e quem pecou por engano” (Comentário dele, a Devarim 5).

O perigo, em outras palavras, não é apenas para onde a cobiça pode levar, mas o que ela própria representa. A Torá se preocupa profundamente com nossa vida interior; o caráter importa.

12יב

Rabino Abraham Joshua Heschel, trecho do livro The Sabbath (1951), pp. 89-90.

Nada é tão difícil de suprimir quanto a vontade de ser escravo da própria mesquinharia.

Galante, incessantemente, silenciosamente, o homem deve lutar pela liberdade interior.

A liberdade interior depende de estar isento da dominação das coisas, bem como da dominação das pessoas.

Há muitos que adquiriram um alto grau de liberdade política e social, mas apenas muito poucos não são escravizados pelas coisas.

Esse é nosso problema constante - como viver com as pessoas e permanecer livres, como viver com as coisas e permanecer independentes.

Em um momento da eternidade, enquanto o sabor da redenção ainda era fresco para os ex-escravos, o povo de Israel recebeu as Dez Palavras, os Dez Mandamentos. No início e no fim, o Decálogo trata da liberdade do homem. A primeira Palavra - EU SOU HaShem teu Elohim, que te tirou da Terra do Egito, da casa da servidão - lembra-lhe que sua liberdade exterior lhe foi dada por Deus, e a décima Palavra - Não cobiçarás. ! - lembra que ele próprio deve alcançar sua liberdade interior.