Reflexões sobre doença, quarentena e riscos

I. Abertura

Hoje vamos falar sobre risco. Vamos começar com uma definição.

Uma das definições de Risco é:

1.Possibilidade de sofrer dano ou perda; perigo.

2. Um fator, coisa, elemento ou curso que envolve perigo incerto; um perigo."

Pense por um momento no mês passado, quando você assumiu um risco, quando sentiu aquela sensação de perigo. Pode não ter sido algo de vida ou morte; pode ter sido algo mundano. Escreva algumas anotações para si mesmo sobre o risco que assumiu no espaço abaixo.

Risco envolve a possibilidade de perigo e envolve incerteza.

Em hebraico, a palavra risco é סיכון, sikun, relacionada à palavra סכנה, sakana ou perigo.

Também está relacionado à palavra "faca", <sakin>.

Pense em uma faca por um momento.

Use o espaço abaixo para escrever algumas palavras que você associa a uma faca ou faça um desenho de alguém usando uma faca. O que o seu desenho diz sobre como você pensa sobre o perigo, como você pensa sobre o risco?

II Uma história talmúdica sobre risco

A história que estamos prestes a ler vem do Talmud Babilônico (Ketubot 77b). comece com uma digressão. Até esse ponto, o Talmud tem discutido casos em que um homem pode ser forçado a se divorciar de sua esposa, incluindo situações em que o homem tem certas condições corporais que o tornam fisicamente repulsivo para ela.

Uma das condições físicas citadas é chamada ra'atan. Continuamos com a discussão do Talmud sobre a natureza do ra'atan e as maneiras pelas quais certos rabinos reagiram aos afetados por isso:

Ao ler a história, considere as seguintes perguntas:

Sobre o texto

1. Como você caracterizaria as reações dos rabinos listados antes do rabino Iehoshua ben Levi?

2. Como você caracterizaria seus sentimentos sobre os riscos apresentados por ra'atan?

3. O que o rabino Iehoshua ben Levi corre o risco de interagir com as vítimas de ra'atan? Qual é o ganho e qual é a perda potencial?

4. O que permite ao rabino Iehoshua ben Levi correr o risco de que seus contemporâneos não o façam?

5. O que você acha que a faca simboliza, nesta história? Como você entende a voz celestial que diz: "É necessário matar as coisas criadas?"

Sobre si mesmo

O que essa reflexão faz você pensar ou sentir agora? Este texto e a discussão em torno dele influenciam como você aborda questões de doença, saúde pública ou risco?

מאי סימניה דלפן עיניה ודייבי נחיריה ואיתי ליה רירא מפומיה ורמו דידבי עילויה ומאי אסותיה אמר אביי פילא ולודנא גירדא דאגוזא וגירדא דאשפא וכליל מלכא ומתחלא דדיקלא סומקא ושליק להו בהדי הדדי ומעייל ליה לביתא דשישא ואי לא איכא ביתא דשישא מעייל ליה לביתא דשב לבני ואריחא ונטיל ליה תלת מאה כסי על רישיה עד דרפיא ארעיתא דמוחיה וקרע למוחיה ומייתי ארבע טרפי דאסא ומדלי כל חד כרעא ומותיב חד ושקיל בצבתא וקלי ליה דאי לא הדר עילויה מכריז רבי יוחנן הזהרו מזבובי של בעלי ראתן רבי זירא לא הוה יתיב בזיקיה רבי אלעזר לא עייל באהליה רבי אמי ורבי אסי לא הוו אכלי מביעי דההיא מבואה ריב"ל מיכרך בהו ועסיק בתורה אמר (משלי ה, יט) אילת אהבים ויעלת חן אם חן מעלה על לומדיה אגוני לא מגנא כי הוה שכיב אמרו ליה למלאך המות זיל עביד ליה רעותיה אזל איתחזי ליה א"ל אחוי לי דוכתאי אמר ליה לחיי א"ל הב לי סכינך דלמא מבעתת לי באורחא יהבה ניהליה כי מטא להתם דלייה קא מחוי ליה שוור נפל לההוא גיסא נקטיה בקרנא דגלימיה א"ל בשבועתא דלא אתינא אמר קודשא בריך הוא אי איתשיל אשבועתא ניהדר אי לא לא ניהדר אמר ליה הב לי סכינאי לא הוה קא יהיב ליה נפקא בת קלא ואמרה ליה הב ניהליה דמיתבעא לברייתא

Quais são os sintomas do ra'atan? Os olhos dele lacrimejam, o nariz escorre, a baba sai da boca e voa sobre ele. A Guemará ainda pergunta: E qual é a cura para remover o inseto encontrado em sua cabeça, que está associado a esta doença? Abaye disse: Toma-se pila e ladanum [lodana], que são tipos de gramíneas; e a casca moída de uma noz; e aparas de couros alisados; e artemisia [kelil malka]; e o cálice de uma tamareira vermelha. E os cozinha juntos e leva ao paciente numa casa de mármore, ou seja, uma que está completamente selada. E se não houver uma casa de mármore disponível, quem realiza o tratamento leva o paciente a uma casa cujas paredes têm a espessura de sete tijolos e um tijolo pequeno.

E quem realiza o tratamento derrama trezentos "copos" dessa mistura na cabeça do paciente até que seu crânio fique macio, e então ele rasga o crânio do paciente para expor seu cérebro, traz quatro folhas de murta e levanta cada vez que um pé da inseto que se encontra no cérebro do paciente e coloca uma folha sob cada pé do inseto para impedir que ele se agarre ao cérebro quando é removido à força e, posteriormente, o leva com uma pinça. E ele então queima o inseto, porque se ele não o queima, ele voltará para ele. O rabino Ioḥanan anunciava: Cuidado com as moscas encontradas nos afetados por ra'atan, pois são portadoras da doença. O rabino Zeira não se sentava em um local onde o vento soprava na direção de alguém atingido por ra'atan. O rabino Elazar não entrava na tenda de um aflito com ra'atan, e o rabino Ami e o rabi Asi não comeriam ovos de um beco em que alguém aflito com ra'atan vivia.

Por outro lado, o rabino Iehoshua ben Levi se apegava a eles e estudava a Torá, dizendo como justificativa o versículo: “A Torá é uma gazela graciosa e concede graça” (Mishlei 5:19).

Se concede graça àqueles que a aprendem, [a Torá] não protege de doenças?

Quando o rabino Iehoshua ben Levi estava prestes a morrer, eles disseram ao mensageiro da Morte: Vá e cumpra sua ordem, pois ele é um homem justo e merece morrer da maneira que achar melhor.

O mensageiro da morte foi e apareceu perante ele. O rabino Iehoshua ben Levi disse-lhe: Mostre-me meu lugar no Gan-Éden. Ele disse: Muito bem. O rabino Iehoshua ben Levi disse a ele: Me dê a faca que você usa para matar mortais, para que não me assuste no caminho.

E deu a ele. Quando ele chegou lá, no paraíso, ele levantou o rabino Iehoshua para que ele pudesse ver seu lugar, e ele mostrou a ele. O rabino Iehoshua pulou e caiu naquele outro lado, escapando assim para o Gan-Éden. O mensageiro da morte o agarrou pelo canto da capa.

O rabino Iehoshua ben Levi disse-lhe: Juro que não irei com você.

O Santo, bendito seja, disse: Se alguma vez em sua vida solicitou dissolução a respeito de um juramento que havia feito, ele deve retornar a este mundo com o Mensageiro da Morte, pois ele também pode ter seu juramento dissolvido desta vez.

Se ele nunca solicitou a dissolução de um juramento, ele não precisava voltar. Como o rabino Iehoshua de fato nunca havia solicitado a dissolução de um juramento, ele foi autorizado a permanecer no Gan-Éden. O Mensageiro da Morte disse a ele: Pelo menos devolva minha faca. No entanto, ele não devolveu, pois não queria que mais pessoas morressem.

Uma Voz Divina emergiu e disse-lhe: Dê a ele, pois é necessário matar os seres criados; a morte é o caminho do mundo.

III Pós-escrito

Em seu livro clássico The Courage to Teach, Parker Palmer escreve:

"Colaboramos com as estruturas de separação porque elas prometem nos proteger contra um dos medos mais profundos no coração do ser humano - o medo de ter um encontro ao vivo com a 'alteridade', o alienígena, seja o caso de o outro ser um estudante, um colega, um sujeito, ou uma voz automática dissidente interior. Temos medo de encontros em que, o outro, seja livre para ser ele mesmo, para falar sua própria verdade, para nos dizer o que não queremos ouvir. Queremos esses encontros em nossos próprios termos, para que possamos controlar seus resultados, para que não ameacem nossa visão do mundo e do ego". (p. 37)

À medida que assumimos riscos pessoais e levamos nossas comunidades a enfrentar seus desafios, quais são os medos que permanecerão em nosso caminho e onde encontraremos forças para suportá-los? Mais uma vez, Palmer:

"Em um tempo de tensão, devemos suportar com qualquer amor que possamos reunir até que essa tensão atraia um amor maior à cena. Existe um nome para a resistência que devemos praticar até que um amor maior chegue: é chamado sofrimento. Nós não poderemos ensinar o poder do paradoxo até que estejamos dispostos a sofrer a tensão dos opostos, até entendermos que esse sofrimento não deve ser evitado nem apenas para ser sobrevivido, mas deve ser adotado ativamente pela maneira como expande nossa próprios corações". (p. 85)

לעולם יכנס אדם בכי טוב ויצא בכי טוב שנאמר (שמות יב, כב) ואתם לא תצאו איש מפתח ביתו עד בקר ת"ר דבר בעיר כנס רגליך שנאמר ואתם לא תצאו איש מפתח ביתו עד בקר ואומר (ישעיהו כו, כ) לך עמי בא בחדריך וסגור דלתיך בעדך ואומר (דברים לב, כה) מחוץ תשכל חרב ומחדרים אימה מאי ואומר וכי תימא ה"מ בליליא אבל ביממא לא תא שמע לך עמי בא בחדריך וסגור דלתיך וכי תימא ה"מ [היכא] דליכא אימה מגואי אבל היכא דאיכא אימה מגואי כי נפיק יתיב ביני אינשי בצוותא בעלמא טפי מעלי ת"ש מחוץ תשכל חרב ומחדרים אימה אע"ג דמחדרים אימה מחוץ תשכל חרב רבא בעידן רתחא הוי סכר כוי דכתי' (ירמיהו ט, כ) כי עלה מות בחלונינו ת"ר רעב בעיר פזר רגליך שנא' (בראשית יב, י) ויהי רעב בארץ וירד אברם מצרימה [לגור] (ויגר) שם ואומר (מלכים ב ז, ד) אם אמרנו נבא העיר והרעב בעיר ומתנו שם מאי ואומר וכי תימא ה"מ היכא דליכא ספק נפשות אבל היכא דאיכא ספק נפשות לא ת"ש (מלכים ב ז, ד) לכו ונפלה אל מחנה ארם אם יחיונו נחיה ת"ר דבר בעיר אל יהלך אדם באמצע הדרך מפני שמלאך המות מהלך באמצע הדרכים דכיון דיהיבא ליה רשותא מסגי להדיא שלום בעיר אל יהלך בצדי דרכים דכיון דלית ליה רשותא מחבי חבויי ומסגי ת"ר דבר בעיר אל יכנס אדם יחיד לבית הכנסת שמלאך המות מפקיד שם כליו וה"מ היכא דלא קרו ביה דרדקי ולא מצלו ביה עשרה ת"ר כלבים בוכים מלאך המות בא לעיר כלבים משחקים אליהו הנביא בא לעיר וה"מ דלית בהו נקבה: יתיב רב אמי ורב אסי קמיה דר' יצחק נפחא מר א"ל לימא מר שמעתתא ומר א"ל לימא מר אגדתא פתח למימר אגדתא ולא שביק מר פתח למימר שמעתתא ולא שביק מר אמר להם אמשול לכם משל למה הדבר דומה לאדם שיש לו שתי נשים אחת ילדה ואחת זקינה ילדה מלקטת לו לבנות זקינה מלקטת לו שחורות נמצא קרח מכאן ומכאן אמר להן אי הכי אימא לכו מלתא דשויא לתרוייכו (שמות כב, ה) כי תצא אש ומצאה קוצים תצא מעצמה שלם ישלם המבעיר את הבערה אמר הקב"ה עלי לשלם את הבערה שהבערתי אני הציתי אש בציון שנאמר (איכה ד, יא) ויצת אש בציון ותאכל יסודותיה ואני עתיד לבנותה באש שנאמר (זכריה ב, ט) ואני אהיה לה חומת אש סביב ולכבוד אהיה בתוכה שמעתתא פתח הכתוב בנזקי ממונו וסיים בנזקי גופו לומר לך אשו משום חציו: (שמואל ב כג, טו) ויתאוה דוד ויאמר מי ישקני מים מבור בית לחם אשר בשער ויבקעו שלשת הגבורים במחנה פלשתים וישאבו מים מבור בית לחם אשר בשער [וגו'] מאי קא מיבעיא ליה אמר רבא אמר ר"נ טמון באש קמיבעיא ליה אי כר' יהודה אי כרבנן ופשטו ליה מאי דפשטו ליה רב הונא אמר גדישים דשעורים דישראל הוו דהוו מטמרי פלשתים בהו וקא מיבעיא ליה מהו להציל עצמו בממון חבירו שלחו ליה אסור להציל עצמו בממון חבירו אבל אתה מלך אתה [ומלך] פורץ לעשות לו דרך ואין מוחין בידו ורבנן ואיתימא רבה בר מרי אמרו גדישים דשעורין דישראל הוו וגדישין דעדשים דפלשתים וקא מיבעיא להו מהו ליטול גדישין של שעורין דישראל ליתן לפני בהמתו על מנת לשלם גדישין של עדשים דפלשתים שלחו ליה (יחזקאל לג, טו) חבול ישיב רשע גזילה ישלם אע"פ שגזילה משלם רשע הוא אבל אתה מלך אתה ומלך פורץ לעשות לו דרך ואין מוחין בידו בשלמא למאן דאמר לאחלופי היינו דכתיב חד קרא (שמואל ב כג, יא) ותהי שם חלקת השדה מלאה עדשים וכתיב חד קרא (דברי הימים א יא, יג) ותהי חלקת השדה מלאה שעורים אלא למאן דאמר למקלי מאי איבעיא להו להני תרי קראי אמר לך דהוו נמי גדישים דעדשים דישראל דהוו מיטמרו בהו פלשתים בשלמא למאן דאמר למקלי היינו דכתיב (שמואל ב כג, יב) ויתיצב בתוך החלקה ויצילה אלא למ"ד לאחלופי מאי ויצילה דלא שבק להו לאחלופי בשלמא הני תרתי היינו דכתיב תרי קראי

Uma pessoa deve sempre entrar numa cidade desconhecida num momento bom, ou seja, enquanto a situação é leve, pois a Torá usa a expressão "É bom" com relação à criação de luz (Bereshit 1: 4). Essa bondade que se manifesta no sentido de que segurança gera leveza. E da mesma forma, quando alguém sair de uma cidade, deve sair em um momento bom, ou seja, após o nascer do sol na manhã seguinte, como é afirmado no verso: “E nenhum de vocês sairá da abertura de sua casa até a manhã seguinte” (Shemot 12:22). § Os Sábios ensinaram: Se houver praga na cidade, junte seus pés, ou seja, limite o tempo que você passa fora de casa, como está declarado no verso: “E nenhum de vocês sairá à entrada de sua casa, até a manhã." E diz em outro verso: “Venha, meu povo, entre em seus aposentos e feche suas portas atrás de você; esconda-se por um momento, até que a raiva passe". (Ieshaiahu 26:20). E está dito: “Do lado de fora, a espada cederá. Nas câmaras, o terror” (Devarim 32:25). A Guemará pergunta: Qual é a razão para citar os versos adicionais introduzidos com o termo: E está dito? O primeiro verso parece suficiente para ensinar o princípio de que não se deve sair da casa quando há uma praga! A Guemará responde: E se você disser que esse assunto, o primeiro verso que afirma que nenhum de vocês sairá até que tenha amanhecido, aplica-se apenas à noite, mas durante o dia pode-se pensar que o princípio não se aplica, por esse motivo a Guemará ensina:Venha e ouça: "Venha, meu povo, entre em seus aposentos e fechem suas portas." E se você disser que esse assunto se aplica apenas onde não há medo por dentro, o que explica por que é preferível permanecer em ambiente fechado, mas onde há medo por dentro, pode-se pensar que quando ele sai e senta entre as pessoas de sua companhia em geral, seria melhor, portanto, a Guemará introduz o terceiro verso e diz: Venha e ouça: “Fora a espada cederá, e nas câmaras, terror.” Isso significa que, embora exista terror nas câmaras, e do lado de fora a espada cede; portanto, seria mais seguro permanecer em ambientes fechados.

Numa época em que havia uma praga, o rabino Ráva fechava as janelas de sua casa, como está escrito: "Pois a morte surge em nossas janelas" (Irmiahu 9:20).

Os Sábios ensinaram: Se houver fome na cidade, abra os pés! Ou seja, saia da cidade, como está dito no versículo: “E houve fome na terra; e Avraham desceu ao Egito para peregrinar ali ” (Bereshit 12:10). E diz: “Se dissermos: Entraremos na cidade, então a fome está na cidade e morreremos lá; e se nos sentarmos aqui, também morreremos, agora vamos, e vamos cair sobre o exército dos arameus; se nos salvarmos viveremos; e se eles nos matarem, morreremos (Melahim Bet 7: 4).

Qual é a razão para citar o segundo verso, introduzido com o termo: E diz? E se você disser que esse assunto, o princípio de deixar a cidade, se aplica somente onde não há incerteza quanto a uma situação com risco de vida, mas onde há incerteza quanto a uma situação com risco de vida, esse princípio não se aplicaria, venha e ouça : “Vinde, e caímos sobre exército dos arameus; se nos salvarmos, viveremos; e se eles nos matarem, morreremos". Os Sábios ensinaram: Se houver uma praga na cidade, uma pessoa não deve andar no meio da estrada, devido ao fato de que o Mensageiro da Morte anda no meio da estrada, pois, como no céus deram a ele, permissão para matar dentro da cidade, ele vai abertamente no meio da estrada. Por outro lado, se houver paz e sossego na cidade, não ande à beira de uma estrada, pois, como o Mensageiro da Morte não tem permissão para matar dentro da cidade neste caso, então, ele se esconde e caminha ao lado da estrada da cidade.

Os Sábios ensinaram: Se houver uma praga na cidade, a pessoa não deve entrar sozinha na sinagoga, pois o Mensageiro da Morte deixa seus utensílios ali e, por esse motivo, é um lugar perigoso.

E esse assunto, o perigo na sinagoga, se aplica somente quando não há crianças aprendendo naquela sinagoga e não há dez homens orando nela. Mas se há crianças aprendendo ou dez homens orando lá, não é um lugar perigoso.

Os Sábios ensinaram: Se os cães em um determinado lugar estão chorando sem motivo, é um sinal de que sentem que o Mensageiro da Morte chegou à cidade. Se os cachorros estão brincando, é um sinal de que sentem que Eliáhu, o profeta, veio à cidade. Essas questões se aplicam apenas se não houver cadela entre eles. Se houver uma cadela por perto, é provável que o choro ou a brincadeira ocorra devido à presença dela. §